07 May, 2007

As Palavras Ainda Não Estão Prontas.

Quando você diz muitas palavras
elas não significam nada
ou talvez elas não significam nada
e a gente pensa que elas significam,
será que os brócolis espaciais
vão vir urinar na minha plantação de axilas?

11 comments:

Leonardo Petersen said...

Henrietta lacks é uma mulher :P


realmente o mundo não ta pronto pra muitas coisas.
realmente. a discórdia está por vir, mas por enquanto dizemos obrigado, muito obrigado. a torre treme em sua base.

Monsieur Coçard said...

só se os sapos pararem de morder, mesmo que sem dentes os pedaços de gelo fofo! heuheuheuhe

legal a magem do título hein?

abraços

Jô Beckman said...

Palavras não são más
Palavras não são quentes
Palavras são iguais
Sendo diferentes
Palavras não são frias
Palavras não são boas
Os números pra os dias
E os nomes pra as pessoas
(Titãs)

Paulo Fernando said...

Elas, realmente, não significam nada, sobretudo quando "ainda não estão prontas"... rsrsrs

Abraços!

G. Chєєя said...

Tens Razão quanto as palavras.
A frase comprova tudo, nem entendi!

Beejoca Mocinho ¬¬•

Carolina said...

O alfabeto é mágico, as palavras maravilhosas o problema tá na boca de quem as usa.

Beijoos

Cezar said...

bacana.

convidado para a festa do 667

alex pinheiro said...

A urina dos brócolis jogadores de basquete e seus significado qto palavra... nussa!!! um tanto hilario! adoro palavras, adoro misturar palavras e deixá-las sem significado,,,rs

Abraço e divertidas invenções!

Barbara said...

uhahuah adorei x) ainda espero ler um livro seu, seria ótimo. xD Beijo

Isadora A. said...

querido, tens uma plantação de axilas ?

legal... elas são cheirosas, ao menos ?

Naeno said...

DEUS

Deus o ser invisível que se põe entre nós e os nossos olhos
Uma nascente borbulhante que levanta a areia da profundidade
Um silêncio que se ouve com a quietude do coração
Olhos atentos que nos conta um a um na escuridão, sem velas
Que a todos se revela pela bonificação de acréscimo do seu amor
Um rebento que chora ao ver-Se sair de suas próprias entranhas
E que em nós se acomoda calmamente, comendo e dormindo
Dos mesmos hábitos dos quais já somos costumeiros fazer.
Deus que se perpetua por cada momento, desses mesmos começos,
E que não se finda, mas que se renova todos os dias, nas manhãs
Que ele mesmo traz com o zelo por haver criado.
Deus que na sua magnitude, infinitude, criou um fim imprevisível,
Que a nenhum cabe conhecer. Só o começo, só o meio
Porque o fim, disto de Deus, foi criar-nos uma perfeita obra
Na complexidade de seres humanos. Amados pro Ele incondicional.
Deus que viver não é morrer, mas consubstanciar-se Nele,
E de uma entrega, quase sempre dificultosa, por não sermos
De sua mesma matéria. Relutamos às vezes acreditar Nele
Que vemos, sem precisar dormir para sonhar. Porque Deus
Não é sonho que se conte. E se alguém pensou assim.
Verdadeiramente O viu, e em vendo-O, voltou confuso
Da procura. Que pode ser longa, demorada e curta,
Porque Ele depende de nossa fé, de nosso acreditar dormindo.
E enquanto dormimos Deus, vela nosso sonho
Com o zelo do artista que aprecia as minúcias agora percebidas,
Na obra que criou. E que quanto mais olha mais fica orgulhoso.
Deus é assim, um presente que se abre todo dia e não se amontoa
Sobre nossa cama, porque a cada dia só temos um, o mesmo,
O Deus inigualável, o Deus inavaliável, o Deus que se dá mais.
Muito mais... Distando consideravelmente, do que recebe de nós.
Um abraço
Naeno