16 November, 2007

Primavera Congelada.

Mais uma vez as águas mudaram
a magia do inverno está aqui novamente

Milhares de flocos de neve do lado de fora da minha janela
e um único pensamento, pensar sobre minha ausencia
mas apenas uma palavra dentro de mim
descreve esse sentimento

Folhas cobertas de gelo na minha janela
revelam um único sentimento
uma pintura seca do meu olhar é um sinal de que ninguem sabe

milhares de maõs não são suficiente para folhear a minha história,
da minha alma
826 dias eu contei até hoje
quase tres anos, um lago quase cheio

Mais folhas cobertas de gelo na minha janela
escondem a minha vida gelada por dentro
tempestade de gelo do lado de fora das paredes
mesmo quente aqui eu sinto que meu coração está gelado

Até que a tempestade desaba tudo
uma lágrima em um frágil olho
esta pureza da chuva
me lembra o momento que deixei tudo
e se eu deixar a sua espera por um outro ano?

Distante da nossa própria casa
me mostre um futuro
abra a estrada de blocos dourados
e eu irei seguir adiante.



*Tentando voltar das cinzas.

6 comments:

Monsieur Coçard said...

vai fênix vai!

Barb. said...

frio frio frio

alex pinheiro said...

Direto das cinzas hein, Dib?! (rs)
Pra escrever coisas que lembram um tanto de Marcelo Camelo e outro bocado de Renato Russo, mas se faz atual, rápido como exige o mundo virtual...

Abraços e primaveris invenções!

Paulo Fernando said...

Cresça diante disto! Formidável, estonteante.

Abraços

Juliana said...

[adorei a imagem do blog]

hoje fez frio lá fora, como aqui dentro

te convido â uma visita

bju

Peter_Pan said...

Oh, que inspirante cantante!
E sim, sabia que voltarias delas. A veia poética não se acaba fácil.. decerto nunca.