14 February, 2009

O Túmulo Da Valsa.

Gostaria de expor meu ponto de vista,
nós vivemos em nossas cerâmicas seguras
e pessoas morrem lá fora

Todo o amor que nós precisamos não está lá
e todos nós cantamos canções em nossa sala

Cinco horas da manhã
e meus pés irão tocar o chão
já são cinco horas da manhã
e nenhum sol

Todos usam as mesmas roupas agora, todos jogam esse jogo
chega de lutas por dentro
pare de pisar nos sonhos alheios
o sol da manhã está em meus olhos e ele esconde os caminhos

Céu amarelo, eu posso vê-lo olhando para cima
preto e branco, se transformou em preto e branco
tão inseguro, isso tudo parece tão inseguro

Então vá pro inferno com seus pensamentos
e pro inferno com a sua visão pequena
você é tão distraído quanto à realidade

A minha cabeça cai levemente
e todos estão ligeiramente bêbados esta noite
eles estão bêbados esta noite novamente

Estou caindo, caindo, estou despencando
eu acredito em você

Quando é que os santos entrarão marchando?

4 comments:

Marcelo Victorino said...

É tudo o que uma poesia se propõe a ser: poético. É profundo, é simbólico, é... significativo.

Mas quando é que os santos vão entrar? =D

Mari Vilani said...

Me lembrou um pouco as letras do The Cranberries, gostei!^^
Tem selos pra vc no meu blog!!

Beijos!

Thaís said...

Nossa, lindo o poema, muito bom!
Ba, eu sei que esses comentários não são legais, mas é que realmente não sei o que dizer... Só que não é mais um poeminha superficial, sem duvidas não é :)

ineslampert said...

Adorei essa parte:

Então vá pro inferno com seus pensamentos
e pro inferno com a sua visão pequena
você é tão distraído quanto à realidade

Me descreveu no momento em que me encontro... Gostei do seu blog, vou passar a visitá-lo mais vezes... Parabéns!