24 August, 2007

Dominatrix.

Eu tento sussurar,
pois assim ninguém vai notar

As luzes brilhavam por todos os cantos
a batida te leva e te faz girar

Doente de tentar achar um caminho para me levar
você me amarrava naquela cadeira fria

Mas o amor não é uma opção,
o amor nunca foi livre

A meia arastão dela subia pelas coxas

Não durmo,
não como, nem penso direito,
você consumiu toda a minha energia

Você pode ocupar cada suspiro meu
você pode alugar um espaço dentro de minha mente
pelo menos até eu for dominado

Sai logo da minha mente,
você é a dor de cabeça com a qual não posso viver sem
seu doce perfume fede, sua pele macia me machuca

E ela sussurra no meu ouvido,
eu quero te despedaçar.

9 comments:

Paulo Sempre said...

Um poema demasiadamente desassogado.
Abraço
Paulo
Portugal

Peter_Pan said...

pesado o poema
posso sentir a força

Lua Durand said...

profundo.

[...]

[sem palavras]

beijo.

Rainha de Copas said...

cadê a calmaria? ah! que se dane e venha o sorriso. e os sussurros.

Mary said...

Amor intenso, doentio... difícil de se livrar! :P

Obrigada pela visita! Gostei daqui também!

Beijos

maryfoxxx said...

Tocou lá no fundo!
esse final então...

Beijão!

Line said...

eu gostei mto desse^^
bem... forte!
e eh o tipo de poema que eu leio imaginando cenas, e eu gosto disso
vc escrevendo cada vez melhor mô!
=******

Lily said...

adoro essas construções antagônicas nos textos! principalmente em poemas!

parabéns!

bjks

Fê Probst said...

ódio de amor, de vontade, de desejo.