25 July, 2007

Perdendo Os Ossos.

Enquanto todos corriam da tempestade
nós plantávamos ossos

Nós continuamos plantando ossos no jardim
mas eles não crescem, o adubo não ajuda
a água não ajuda

Se meu jardim tivesse uma cerca
então os cachorros não poderiam entrar
e brincar na grama, cagar na grama,
estragando tudo que sobra

Eu tenho um sentimento horrível
que algo está muito estranho com o mundo
será algo que fizemos?
será algo que comemos?
será algo que bebemos?

E nós continuamos plantando os ossos no jardim
mas eles não crescem nada

E tudo que nós temos,
não são colheitas gigantescas de vidas
de nomes e datas.

12 comments:

Peter_Pan said...

é como lançar foguetes espaciais...


e por que a diferença?

Fê Probst said...

Se os ossos não crescem, como colhe-los?

Line said...

esse poema eh dramatico o.o
dramatico no bom sentido^^
eu consigo imaginar as pessoas e tal...
muito bom, como sempre mô!
=******

Carolina said...

Esse poema retratou a realidade do nosso mundo atual!

=*

Maah Ribeiro said...

Bom, eu gostei do poema,
é meio forte né?!
Mais é bonito.
Enfim...
volte sempre que quiser,
pode ter certeza que será mto bem vindo.

^^


=***

pentelho real said...

um poema estranho que nos faz pensar.

Diego H. Zimermann said...

bobo é vc,, nheee =P


e acredito muito que seja, em boa parte, algo que bebemos.

Clóvis said...

Bastante interessante o toque surrealista deste seu poema.
Bom mesmo!


Inté, poeta.

Júlim Oliveira said...

dramatico e bonito seu poema

mas o vale de ossos secão serão aplainados pode crêr!

alex pinheiro said...

A mais fantástica visão de um cemitério que já li em toda minha vida... O mundo anda com gastrite creio eu,,, será que rola um vômito?!
Mas a humanidade já esteve em semelhança...
Admiração!

Abraços e formidáveis invenções!

Fabi´s said...

parabéns pelos "escritos"

Monsieur Coçard said...

gostei... tão bom que não me sinto apto nem de comentar :D
ainda to meio encanado com ossos...

abraços